A influência da arquitetura árabe em Espanha e Portugal
Indice

A arquitetura árabe em Espanha e Portugal é uma das mais importantes e ricas do mundo. A sua influência é visível na arquitetura de ambos os países, desde os edifícios mais emblemáticos até aos mais quotidianos.

Introdução à arquitetura árabe em Espanha e Portugal


A arquitetura mourisca chegou à Península Ibérica com a conquista muçulmana no século VIII. Os muçulmanos estabeleceram-se na região durante mais de 700 anos e, durante esse período, a sua arquitetura teve uma grande influência na cultura local.

As primeiras influências da arquitetura árabe podem ser vistas nos edifícios construídos durante o período de ocupação omíada (711-1031). Durante este período, foram construídas mesquitas, palácios e fortalezas que combinavam elementos da arquitetura romana, bizantina e árabe.

Com o tempo, a arquitetura árabe na Península Ibérica desenvolveu-se e adquiriu características próprias. Os arquitectos árabes utilizaram uma variedade de elementos decorativos e técnicas de construção para criar edifícios simultaneamente belos e funcionais.

Características únicas da arquitetura árabe


A arquitetura árabe na Península Ibérica caracteriza-se por um conjunto de elementos únicos, dos quais os mais importantes são os seguintes:

Elementos decorativos:

Os elementos decorativos da arquitetura árabe são algumas das suas características mais distintivas. Estes elementos são utilizados para criar padrões intrincados e harmoniosos que enchem os edifícios de vida.

Os motivos geométricos são os mais comuns na arquitetura árabe. Estes motivos são utilizados para criar padrões repetitivos que podem ser simples ou complexos. Os motivos geométricos mais comuns são os quadrados, os rectângulos, os triângulos e os círculos.

Os motivos florais são outro elemento decorativo comum na arquitetura árabe. Estes motivos são utilizados para criar padrões exuberantes que fazem lembrar a natureza. As flores mais comuns na arquitetura árabe são as flores de lótus, as flores de laranjeira e as flores de hibisco.

Os motivos caligráficos são também um elemento decorativo importante na arquitetura árabe. Estes motivos são utilizados para escrever versos do Alcorão ou frases religiosas. A caligrafia árabe é uma forma de arte muito sofisticada e pode ser utilizada para criar padrões decorativos elaborados.

Os azulejos são também um elemento decorativo importante na arquitetura mourisca. Os azulejos são utilizados para criar padrões geométricos, florais ou caligráficos. Os azulejos mais comuns neste estilo arquitetónico são os azulejos de corda seca, os azulejos de bacia e os azulejos zellige.

Outros elementos decorativos comuns na arquitetura árabe são os trabalhos em gesso, o estuque, os mosaicos e as incrustações de madeira.

Técnicas de construção:

Os arquitectos árabes utilizaram uma variedade de técnicas de construção inovadoras para criar edifícios robustos e elegantes. Algumas das técnicas mais importantes utilizadas na arquitetura árabe são as seguintes:

O arco em ferradura: O arco em ferradura é um elemento caraterístico da arquitetura mourisca. Este arco caracteriza-se pela sua forma curva que se abre num ponto. O arco de ferradura é utilizado para criar espaços amplos e luminosos.

A abóbada de muqarnas: A abóbada de muqarnas é uma abóbada de pedra formada por uma série de elementos decorativos em forma de estrela. A abóbada de muqarnas é utilizada para criar espaços de grande riqueza ornamental.

A cúpula meia-laranja: A cúpula meia-laranja é uma cúpula que tem a forma de uma meia-laranja. A cúpula em meia-laranja é utilizada para criar espaços com uma grande sensação de altura.

Sistema de arcos: O sistema de arcos é uma técnica de construção que utiliza uma série de arcos para suportar um telhado ou uma abóbada. O sistema de arco é utilizado para criar espaços com uma sensação de amplitude.

Paredes estruturais: As paredes estruturais são paredes que suportam o peso de um edifício. As paredes estruturais são utilizadas na arquitetura árabe para criar espaços com grande solidez.

Influências culturais:

A arquitetura mourisca na Península Ibérica reflecte as influências culturais dos vários povos que habitaram a região. Elementos romanos, bizantinos e cristãos podem ser vistos nos edifícios mouriscos, criando uma síntese única de estilos.

  • Os elementos romanos podem ser vistos na arquitetura mourisca sob a forma de arcos redondos, colunas e capitéis.
  • Os elementos bizantinos podem ser vistos na arquitetura árabe sob a forma de cúpulas e abóbadas de mosaico.
  • Os elementos cristãos podem ser vistos na arquitetura mourisca sob a forma de arcos de ferradura pontiagudos, torres sineiras e elementos decorativos cristãos.

Exemplos emblemáticos da arquitetura árabe


A Península Ibérica alberga alguns dos exemplos mais emblemáticos da arquitetura mourisca. Entre os mais destacados encontram-se os seguintes:

A Alhambra em Granada 

A Alhambra é um complexo de palácio e fortaleza que foi construído pelos sultões Nasridas de Granada. É um dos monumentos mais visitados de Espanha e um exemplo perfeito da arquitetura mourisca no seu melhor.

A Mesquita-Catedral de Córdova 

A Mesquita-Catedral de Córdova é um edifício religioso que foi construído pelos muçulmanos durante o período omíada. É um dos exemplos mais importantes da arquitetura islâmica no mundo.

O Palácio Nacional da Pena em Sintra 

O Palácio Nacional da Pena é um palácio romântico que foi construído no século XIX. Combina elementos da arquitetura mourisca, renascentista e medieval.

Estilos arquitectónicos árabes na Península


A arquitetura árabe na Península Ibérica desenvolveu-se ao longo dos séculos, dando origem a uma variedade de estilos. Os principais estilos arquitectónicos árabes na Península são os seguintes:

Estilo omíada: 

O estilo omíada desenvolveu-se durante o período omíada (711-31). Caracteriza-se pela utilização de arcos em ferradura, abóbadas muqarnas e meias-cúpulas. Alguns dos exemplos mais notáveis do estilo omíada na Península Ibérica são a Mesquita-Catedral de Córdova, a Grande Mesquita de Sevilha e a Mesquita Giralda de Sevilha. 

Mesquita Giralda em Sevilha

Estilo Nasrid:

O estilo Nasrid desenvolveu-se durante o período Nasrid (1232-1492). Caracteriza-se pela utilização de motivos geométricos e florais, bem como pela abundância de azulejos. Alguns dos exemplos mais notáveis do estilo Nasrida na Península Ibérica são a Alhambra em Granada, o Generalife em Granada e o Palácio de Comares em Granada. 

Palácio de Comares em Granada

Estilo Mudéjar: 

O estilo mudéjar desenvolveu-se durante a Reconquista (séculos XI-XV). Caracteriza-se pela combinação de elementos arquitectónicos cristãos e árabes. Alguns dos exemplos mais notáveis do estilo mudéjar na Península Ibérica são a Catedral de Toledo, a Catedral de Segóvia e o Alcázar de Segóvia. 

Catedral de Segóvia

Legado e conservação


A arquitetura árabe na Península Ibérica é um legado cultural e artístico de grande importância. Os edifícios árabes estão entre os mais visitados em Espanha e Portugal e são um testemunho da riqueza cultural da região.

Nos últimos anos, foram desenvolvidos esforços significativos para restaurar e conservar os edifícios árabes da Península Ibérica. Estes esforços permitiram preservar este património cultural para as gerações futuras.

Influência na arquitetura contemporânea


A arquitetura árabe tem tido uma influência significativa na arquitetura contemporânea. Os arquitectos de todo o mundo inspiraram-se nos elementos decorativos e nas técnicas de construção da arquitetura árabe para criar edifícios modernos que combinam funcionalidade e beleza.

Exemplos da influência da arquitetura árabe na arquitetura contemporânea incluem a utilização de arcos em ferradura e outros elementos de construção, motivos geométricos e florais na decoração e a utilização de materiais como o gesso, o estuque e os azulejos.

Conclusões


A arquitetura árabe na Península Ibérica é uma das mais importantes e ricas do mundo. A sua influência é visível na arquitetura de ambos os países, desde os edifícios mais emblemáticos aos mais quotidianos, e arquitectos de todo o mundo inspiraram-se nos seus métodos construtivos e ornamentais.

A arquitetura árabe é um legado cultural e artístico de grande importância. Os edifícios árabes estão entre os mais visitados em Espanha e Portugal e são um testemunho da riqueza cultural da região.

A arquitetura árabe é uma fonte inesgotável de inspiração para os arquitectos de todo o mundo. Os seus elementos decorativos e técnicas de construção são ainda hoje relevantes e continuam a inspirar os arquitectos a criar edifícios bonitos e funcionais.

Outros posts

Viver em Mobile Homes: Inovação e conforto no mesmo espaço
A Alubuild® obtém a certificação DIT Plus
Arquitetura e Cinema: um diálogo visual
Além de Riken Yamamoto: 5 arquitetos japoneses vencedores do Pritzker