Fachadas cinéticas e arquitetura cinética
Indice

Em esta ocasião falaremos em pormenor sobre a arquitetura cinética, as suas aplicações e evolução. 

Centrar-nos-emos especificamente nas fachadas cinéticas, suas aplicações e funcionalidades no mundo de hoje. 

O que é a arquitetura cinética?


A arquitetura cinética surgiu na história com o objectivo de permitir a mobilidade de alguma parte de uma estrutura sem a deformar e proporcionar uma funcionalidade específica, seja ela funcional, estética ou eficiente em termos energéticos. 

É por isso que a arquitetura cinética pode ser aplicada a edifícios, esculturas, casas ou qualquer trabalho que possa melhorar a sua funcionalidade através do movimento.

História da arquitetura cinética

Olhando para trás no tempo, encontramos um exemplo claro deste tipo de arquitetura na ponte levadiça utilizada na Idade Média, que pode ser considerada um dos primeiros elementos da arquitetura cinética e que sobreviveu até aos dias de hoje. 

No entanto, embora esteja presente na nossa sociedade há séculos, só no século XX é que alguns arquitetos começaram a interessar-se mais por este conceito arquitectónico.  

Especificamente, o interesse pela arquitetura cinética foi um dos pilares do pensamento do movimento artístico do Futurismo nascido em Itália, onde as suas máximas eram o progresso e o movimento.

É também importante notar que o desenvolvimento da arquitetura cinética anda de mãos dadas com os avanços da electrónica, mecânica e robótica. Coisas que começaram a estar mais presentes na sociedade a partir de 1900.

Assim, temos vários documentos e livros da época que incluíam planos e desenhos para a mudança de edifícios, um exemplo notável dos quais foi 101 Architectural Fantasies (1933) de Chernikhov. 

Diferentes tipos de arquitetura cinética


Sabemos que o conceito de arquitetura cinética pode ser utilizado numa estátua ou num edifício, tal como listamos acima. 

Portanto, compreender como funciona a arquitetura cinética e qual é o objectivo de dar mobilidade a uma parte de um edifício é fundamental para compreender melhor este tipo de construção.

Vejamos 3 aspectos que a arquitetura cinética traz aos edifícios e porque é um conceito realmente interessante:

Incorporação de uma função específica que não seria possível num edifício estático.

Neste exemplo de utilização da arquitetura cinética temos estruturas que podem mover peças para cumprir uma segunda função

Assim, temos as referidas pontes levadiças, que podem elevar as suas secções centrais para permitir a passagem de navios ou veículos.

Também acontece, por exemplo, com estádios que têm um telhado retrátil para serem fechados quando chove, ou para serem abertos quando o tempo está quente.

Melhoria das qualidades estéticas.

A arquitetura cinética tem o poder de transformar a aparência visual de um edifício para dar outro design ou ambiente.

Os desenhos que têm partes móveis permitem mudar a aparência visual de um edifício movendo ou rodando algumas das suas partes numa direção diferente e, em alguns casos, proteger também o interior do sol ou do frio.

Nestes casos cumprem uma dupla função: estética e regulação da temperatura.

Adaptação às condições ambientais e exploração das mesmas.

Em edifícios onde os princípios da arquitetura cinética têm sido utilizados, existem frequentemente múltiplos propósitos.

Por exemplo, a fachada de um edifício pode criar um efeito de dobradiça ou dobradiça que, em combinação com as tecnologias de energia solar, pode produzir energia solar para o fornecimento independente de energia e assim poupar electricidade.

Outros exemplos são o aproveitamento do movimento para o transformar em energia eólica.

É o que temos, por exemplo, no World Trade Center no Bahrain, que tem 3 turbinas eólicas centrais capazes de produzir até 15% da energia necessária para o edifício.

arquitectura cinetica

O que são fachadas cinéticas?


A fachada cinética é um exemplo de um elemento da arquitetura cinética e pode ser utilizada para controlar a luz, o ar, a energia e mesmo a informação. 

As fachadas cinéticas podem, entre outras coisas, reduzir os raios de sol que penetram no edifício ou permitir a entrada de ar fresco, alterando assim o ambiente interior. 

Os elementos móveis da fachada podem ser programados para responder a fatores climáticos e ambientais, clima, nível e tipo de ocupação, etc., para melhorar a eficiência e eficácia energética.

As fachadas cinéticas também podem ser utilizadas para fins estéticos para criar designs deslumbrantes ou como parte de exposições de arte contemporânea.

O destaque das fachadas cinéticas é que muitas vezes combinam estética e utilidade num único elemento, proporcionando um design estético e cumprindo também alguma função que ajuda a cuidar ou proteger o ambiente.

Aplicação do painel compósito em fachadas cinéticas

Como podemos compreender do acima exposto, para conseguir fachadas cinéticas funcionais que possam desempenhar as suas funções, os aspectos chave são a leveza, adaptabilidade, variedade de acabamentos e rigidez.

Isto é conseguido através de elementos de construção, tais como o painel compósito de alumínio

A criação de fachadas cinéticas com painel compósito é muito comum porque este material fornece tudo o que é necessário para as criar facilmente.

O painel de alumínio é leve, moldável, forte e isolante, o que também ajuda a alcançar a eficiência energética desejada quando utilizado para este fim.

Além disso, os acabamentos do painel compósito são muito variados e podem ser combinados em todos os tipos de combinações e simulando quase qualquer material e superfície que possamos imaginar.

Edifícios cinéticos famosos


A arquitetura cinética criou alguns dos edifícios mais impressionantes do mundo. 

Aqui mostramos alguns exemplos destes para que possa observar os desenhos e as funcionalidades oferecidas por este tipo de construção.

Museu de Arte de Milwaukee 

A característica mais notável do Museu de Arte de Milwaukee é o seu elevado ecrã em forma de asa no topo da área da recepção. 

O Burke Brise Soleil (desenhado pelo arquiteto Calatrava) é feito de aço, tem 36 barbatanas, uma envergadura de asa de 217 pés e abre e fecha duas vezes por dia. 

Durante o dia, o ecrã abre-se para sombrear a entrada principal de vidro e à noite fecha-se como uma ave dobrando as suas asas para dormir.

edificio cinetico

Centro Financeiro Bund de Xangai

O Centro Financeiro Bund concebido por Foster + Partners cria uma ligação entre a cidade velha e o novo distrito financeiro da cidade.

O edifício está rodeado por uma cortina móvel, disposta ao longo de três faixas e constituída por 675 camadas separadas de liga de magnésio em forma de borla, uma referência ao tradicional cabeleireiro de casamento chinês, que se adapta à utilização variável do edifício.

O comprimento das borlas varia, de cerca de 2 a 16 metros, de modo que à medida que cada pista se move independentemente da outra, o véu gira com as borlas sobrepostas, criando diferentes efeitos visuais e níveis de opacidade.

fachadas cineticas

One Ocean, Thematic Pavilion EXPO 2012 de Yeosu

Construído pelo estúdio austríaco Soma, uma das principais instalações da EXPO 2012 em Yeosu, Coreia do Sul. 

A proposta visa criar um marco emblemático que se mistura no ambiente urbano e na natureza envolvente. 

Fachada Kiefer Technic

Showroom de Graz

Estes escritórios consistem num sistema de fachada dinâmica de elementos articulados e operados eletricamente, permitindo a sua adaptação individual às condições ambientais.

fachada cinetica

Al Bahar Towers de Abu Dhabi

O quadro tecnológico das Torres Al Bahar é inspirado na arquitetura tradicional islâmica conhecida como mashrabiya.

Esta fachada inteligente é acompanhada por um sistema de colectores solares térmicos e um sistema fotovoltaico no telhado. Graças a isto, a redução anual das emissões de carbono é da ordem das 1.750 toneladas.

Conclusão final 


A arquitetura cinética, e mais especificamente as fachadas cinéticas, estão a tornar-se cada vez mais proeminentes na arquitetura atual, permitindo desenhos elegantes mas funcionais que dão aos edifícios uma melhor eficiência energética juntamente com um menor impacto ambiental.

Outros posts

Viver em Mobile Homes: Inovação e conforto no mesmo espaço
A Alubuild® obtém a certificação DIT Plus
Arquitetura e Cinema: um diálogo visual
Além de Riken Yamamoto: 5 arquitetos japoneses vencedores do Pritzker