Skip to main content

O neoplasticismo é uma tendência artística que surgiu no início do século XX e que influenciou muito a forma como diferentes disciplinas, tais como a arquitetura, foram concebidas. Vamos dar uma vista de olhos a este movimento no primeiro centenário da sua existência.

De onde vem o Neo-Plasticismo?


O movimento conhecido como Neo-Plasticismo nasceu em 1920 e o seu nome vem do termo Nieuwe Beelding, que traduzido para a nossa língua significa “a nova imagem do mundo”.

Dentro do mundo da arte, é um termo que começou a ser usado para se referir às obras de um pintor holandês chamado Piet Mondrian e que define o seu estilo austero, abstracto e geométrico. As suas obras caracterizam-se por elementos puramente plásticos e formais, tais como formas, linhas, cores e planos, eliminando qualquer referência ao mundo material.

 

O que é o Neo-Plasticismo e as suas características?


As obras do Neo-Plasticismo caracterizam-se por pertencerem a uma corrente artística que não inclui elementos acessórios, ou seja, baseia-se apenas em cores puras e formas geométricas para a tornar universal.

Em contraste com o Expressionismo Abstracto, quando olhamos para uma obra Neo-Plasticista vemos o seu carácter transcendental, fora de qualquer tipo de realidade externa. É governado por regras matemáticas e por uma geometria radicalmente simplificada. Ao contrário do Cubismo, afasta-se de um mundo real representado, concentrando-se nas cores e formas básicas.

Estas são as suas principais características:

  • Tem preferências na utilização de linhas rectas, ângulos rectos, cubos e planos, dando especial relevância ao rectângulo, que é a sua figura predominante.
  • Tem uma abordagem totalmente racional, onde apenas o elementar prevalece e elimina o acessório.
  • É constituído por cores neutras ou primárias, limitando os tons dissonantes, o que reduz a complexidade do objecto representado.
  • Procura harmonia e perfeição plástica, alcançando uma visualidade moderada e proporcional.
  • As pinturas neoplásticas têm uma pequena gama de tonalidades e contrastes que conseguem expressar formas equilibradas sem simetria.
  • Há uma ausência total de curvas e diagonais, portanto, a beleza é realçada por linhas rectas e geométricas.

Como é que o Neo-Plasticismo influenciou a arquitetura?


Todos os seguidores desta tendência pensam que as características do neo-plasticismo devem ser alargadas a todas as artes, incluindo a arquitectura e tudo o que está relacionado com o design, tais como o design gráfico e o design de mobiliário.

Assim, com base na abstracção pictórica, nasceu a arquitetura Neo-Plasticista, um conceito baseado na utilização de figuras com linhas básicas e cores primárias, e que mudou a forma de conceber tanto o design de interiores como a própria arquitetura.

 

Quais são as características da arquitetura Neo-Plasticista?


Se Mondrian foi o precursor do Neo-Plasticismo na arte, foi o arquiteto e pintor Van Doesburg que foi o primeiro a adaptá-lo à arquitetura com o desenho da casa Van Doesburg na cidade de Drachten, de que falaremos mais tarde.

Se tivermos a sorte de o visitar, podemos ver a influência do Neo-Plasticismo na arquitetura. Estas são as suas principais características:

  • Formulário: Em vez de originar a priori, fá-lo a posteriori.
  • Os elementos: São criativos e elementares, e surgem da própria construção (luz, materiais, função, tempo, espaço, volume, etc.).
  • Economia: Utiliza apenas os elementos essenciais, pelo que não há desperdício de meios ou materiais. Como consequência, é muito mais económico.
  • Praticidade: A arquitetura resultante é funcional, baseada em requisitos práticos.
  • A planta: O dualismo das paredes como separação entre o interior e o exterior é eliminado. A sua função não é apoiar, mas ser um ponto de apoio, criando uma comunicação entre o espaço interior e o espaço exterior.
  • Subdivisão: As divisórias interiores não são feitas por elementos estruturais, mas por divisórias ou móveis.
  • Sem simetrias ou repetições: Não são permitidas repetições de qualquer tipo; tudo é diferente, bem como funcional.

Quem são os expoentes do Neo-Plasticismo?


Até agora, concentrámo-nos apenas na pintura e na arquitetura como artes representativas do neo-plasticismo, mas a realidade é que esta tendência se estendeu a outros tipos de disciplinas, tendo sempre em conta os seus factores condicionantes e características na forma de conceber o design.

Desta forma, e como representantes desta corrente, podemos destacar nomes notáveis em diferentes campos, tais como moda, design de interiores, design industrial ou mesmo gastronomia, como por exemplo: Estéfano Viu, Vilmos Huszár, Georges Vantongerloo, Gerrit Thomas Rietveld ou Jacobus Johannes Pieter Oud, entre outros, para além dos já mencionados Van Doesburg e Mondrian.   

 

Alguns exemplos de Neo-Plasticismo na arquitetura


O movimento Neo-Plasticismo na arquitetura surgiu da publicação do jornal De Stijl, fundado por Van Doesburg. Tornou-se a referência para a arte moderna na Holanda e inspirou arquitetos como Gerrit Rietveld, JJP Oud e o próprio Van Doesburg, cujos projetos serviram para estabelecer a tendência arquitetónica que conhecemos hoje. A seguir enumeramos algumas das suas obras mais representativas.

 

A casa Schroder de Gerrit Rietveld

casa schroder

Construído em 1924 na cidade de Utrecht (Holanda), pode ser considerado o maior expoente da arquitetura Neo-Plasticista. Destaca-se pela sua composição livre de planos verticais e horizontais que estabelece uma separação formal entre o envelope e a estrutura.

 

A casa-atelier Van Doesburg

oficina de van doesburg

A única obra arquitetónica de Van Doesburg está localizada em Meudon, perto de Paris, e consiste numa casa e uma oficina para os proprietários. Nele podemos ver claramente todas as influências do Neo-Plasticismo através da sua arquitetura geométrica e da utilização de cores primárias ao longo do seu design.

 

O Neo-Plasticismo deixa-nos um legado caracterizado pela utilização de cores e figuras primárias concebidas com linhas básicas que se podem reconhecer apenas pela inspecção visual. Significou uma mudança radical no conceito das disciplinas que o seguem e, até hoje, está ainda muito na moda devido à sua simplicidade, beleza e concepção harmoniosa de capturar a realidade.

Leave a Reply